Musicoterapia

Musicoterapia é uma profissão de ajuda bio-psico-mental-social-espiritual que usa a música como recurso terapêutico para prevenir, reabilitar ou manter o bem-estar de indivíduos ou grupos. Há vários tipos de atendimentos. Com crianças que têm um desenvolvimento não típico são usados instrumentos de percussão simples: pandeiro, caxixi, metalofone, sinos, entre outros, com brincadeiras, movimentos corporais e canto contextualizado, para buscar o contato visual e a resposta às propostas de interação. Com idosos, pode-se usar a harpa e o canto de canções conhecidas da preferência deles. Para adultos que buscam maior autoconhecimento, usa-se a música para proporcionar maior relaxamento e estimular para que emerjam nele imagens subconscientes, símbolos ou insights. A sessão de musicoterapia traz alegria, ritmo, harmonia, afinação, melhora a fala e isso se reflete na sua vida.

Trabalhamos o ser humano de forma multidimensional.

  • Física (mobilidade, percepção sensorial, coordenação motora): exercícios rítmicos corporais e instrumentais para marcha, preensão e alcance; exercícios de respiração para capacidade aeróbica; vocalizes com mímica facial para expressividade; audição de música para habilidades áudio-motoras.

  • Emocional (humor, sensibilidade, apreciação): audição de músicas adequadas para facilitar a expressão afetiva.

  • Comunicacional (família, amizades, lazer, expressão verbal): trabalho com canções para a linguagem, voz na fala e no canto.

  • Social (prática dos ideais, reconhecimento, generosidade, relações): atividades com letras de canções para estimular reflexões sobre as realizações vividas, atividades musicais em grupo para interação social apropriada.

  • Cognitiva (percepção, pensamento próprio, reflexão): aprender novas músicas ou relembrar melodias conhecidas para ajudar na memória, exercícios de criatividade e improvisação para funções executivas e atenção e orientação para a realidade.

  • Musical (prazer musical, percepção, habilidade vocal, rítmica ou harmônica): explorar e vivenciar a música com maior profundidade

  • Espiritual (crenças, devoção, solidariedade, assistencialidade, amor ao próximo): cantar e ouvir músicas da espiritualidade da pessoa para promover maior positividade e sobre a paz e o amor universal para maior união entre as pessoas.

  • Autoconsciência (autoconhecimento, amor próprio, síntese pessoal): audição de músicas clássicas ou improvisos livres para a imaginação, intuição e experiências de autoconhecimento.